Lama Dorje

Lama Dorje meditandoEm um pequeno e escondido povoado ao norte do Nepal, próximo do Monte Kailash (montanha sagrada para o budismo por ser considerada o palácio dos Budas chamado Limi Zang Humla), Lama Dorje nasceu em 1979, no núcleo de uma família numerosa e humilde.

Nesta região predomina o Budismo Tibetano Mahayana, já que antigamente Limi Zang Humla pertencia ao Tibet, pelo qual sua cultura e pessoas são muito similares. É um povoado maravilhoso onde todas as pessoas são muito tranquilas e sobretudo muito respeitosas com o Dharma.

Quando nasceu, sua mãe teve um sonho onde un monje muito ancião dizia: “você deve limpar seu filho, cuidar bem dele” Além disso, ela percebeu muitos sinais auspiciosos.

Desde pequeno Lama Dorje se destacou entre seus irmãos por sua marcada tendência para a vida espiritual e o caminho Budista. Desde os cinco anos de idade mostrou interesse em objetos de Dharma, tais como malas e sinos. Além disso, nesta pequena idade já repetia mantras e meditava.

Muito próximo de sua casa havia um pequeno monastério, onde Lama Dorje gostava de brincar com os monjes de sua idade que ali viviam. Um dia, comunicou a seus pais que queria ser monje, e ainda que o pedido os fazia muito felizes, seus padres estavam um pouco preocupados, pois com somente cinco anos de idade, ele podia se equivocar em sua decisão.

Logo depois de contar com a opinião de alguns Lamas, pela forte conexão que ele tinha com o caminho budista, decidiram o levar a um monastério chamado Phel Gyeling.

Realizaram uma simples cerimônia no templo para o iniciar no caminho. Tomou refúgio nas três jóias e fez os compromissos e votos de monje, então cortaram seu cabelo e mudaram suas roupas por hábitos. A partir deste dia não seria permitido voltar a sua casa, e somente poderia receber a visita de seus pais uma vez por semana.

Ele deveria ficar no monastério e assumir a responsabilidade de viver como um monje Budista; cumprir com seus votos, limpar suas roupas e objetos pessoais, e estudar o comportamento, mais a filosofia básica e rituais budistas.

En 1990, aos 10 anos de idade, mudou para um monastério maior, chamado Jangchub Ling, na cidade de Dehradun, o norte da Índia. Este monastério era da linhagem Kagyud Pa, uma das quatro maiores do Budismo Tibetano Mahayana, e que provém da linhagem desde Tilopa, Naropa, Marpa e Milarepa até seu mestre.

12012016-YanDok1378Ali, Lama Dorje aprendeu os profundos ensinamentos do Sutra e do Tantra, rituais, mandalas, astrologia, e también sobre ervas e medicina tibetana. Teve diversos Mestres de diferentes linhagens, especialmente das quatro grandes linhagens do Budismo Tibetano Mahayana: Nyingma Pa, Kagyud Pa, Sakya Pa y Gelug Pa.

Em 2003 terminou seus estudos, recebendo o título de professor de filosofia budista e foi chamado pelo monastério Phelgye Ling, para que voltasse para ensinar a monjes e pessoas de Limi Zang Humla. Aí permaneceu servindo durante un ano.

En 2004 viajou Katmandú, no Nepal, onde esteve com distintos Rinpoches e recebeu ensinamentos de distintas linhagens budistas. Logo voltou a Índia, para a cidade de Dehradun, ao monastério Jangchub Ling, onde conheceu seu Mestre raíz Drupon Jampa Rinzin Rinpoche, um Mestre especialista em meditação.

Ali realizou um retiro chamado LO SUM CHOG SUM, um retiro supremo da linhagem Kagyu Pa, de 3 anos, 3 meses e 3 días solitário em uma montanha.

No outono do 2004 foi ao centro de retiro na montanha com seu Mestre e um grupo de 20 pessoas de diferentes países. Não era permitido sair desta casa nem ver a pessoa alguma durante o retiro, e havia que permanecer em absoluto silêncio.

cerimonia Domo TilopaO retiro consta de várias etapas. A primeira se realiza durante o primeiro ano e é de preliminares, ou preparação. Se realiza trabalho físico, como prostrações; em dois meses de devem fazer duzentas mil prostrações com o fim de purificar, acumular mérito, além da repetição de mantras.

Nas próximas etapas são realizados trabalhos mais relacionados com a mente, como a visualização de un Yidam. Se segue o caminho tântrico; não se pode tomar banho, nem cortar o cabelo ou unhas, estar absolutamente em contato com a natureza de si mesmo. Cada vez os ensinamentos se voltam mais profundos, mais sutis.

Este retiro resulta muito perigoso para pessoas que não tem controle sobre sua mente e emoções. Das 20 pessoas que tomaram o retiro, somente 6 o concluíram.

Quando chegou do retiro de Mahamudra, o Mestre de Lama Dorje convidou Sua Eminência Garchen Rinpoche ao centro de retiro, para ensinar Zogpa Chenpo ou a grande perfeição e Mahamudra. Garchen Rinpoche esteve mais de uma semana com e grupo de meditantes, Lama Dorje teve a grande oportunidade de o convidar a sua cabana de retiro e teve uma maravilhosa entrevista pessoal com um dos Mestres mais importantes do Budismo Tibetano no mundo moderno.

A pedido de Sua Eminência, alargou o retiro um ano mais, alcançando o nível de meditação de Tumo, o fogo sagrado interior, uma das meditações sagradas dos seis Yogas de Naropa: a pessoa deve meditar durante o inverno em cima da neve e sem roupa, secando uma manta molhada em água com o puro calor natural do seu corpo.

No ano 2008 terminou seu retiro e recebeu o título de “Lama”, que significa “Mestre”. Já estava muito acostumado a este estilo de vida, era muito feliz e não queria sair do retiro, mas seu Mestre disse: “agora deves sair e compartilhar com os demais”.

Khenpo Suryavan MontanhaEm 2009 foi convidado ao Chile como discípulo de Sua Eminência, e esteve um ano compartilhando seus ensinamentos por este país, e no ano de 2010 conheceu a organização Condor Blanco, com a que unia um mesmo propósito: expandir o Dharma para a liberação de todos os seres.

Assim, em 2011 se integrou a Condor Blanco, fundando uma das sete escolas da organização: a escola de Bodhisattva, de 4 módulos e que instrui sobre o caminho budista Mahayana, com o objetivo de continuar fazendo girar a roda do Dharma.

Também criou o Centro de Dharma Cóndor Blanco (CDCB), criado com o propósito de expandir os ensinamentos do Budismo Tibetano através do estudo, da prática, meditações e retiros baseados na filosofia Budista e no saber milenário da cultura Tibetana.

O principal objetivo do centro neste momento é o Dharma Project, um projeto que plasma a visão do futuro e que se compõe de 5 etapas principais e áreas de ação:

  • A construção do Templo Budista
  • A criação de esculturas e arte decorativa do templo
  • O projeto Surya Lingka
  • A construção de 25 cabanas de retiro individual
  • A construção de uma Estupa